#16RenascimentoCulturaSociedade

Renascimento perpétuo

por Emmanuel Rengade

No dia 30 de junho de 2002 – dia em que o Brasil ganhou a Copa do Mundo contra a Alemanha –, sofri um acidente quase fatal. Após ter deixado meu lucrativo emprego em Londres para renovar, sozinho, durante mais de um ano, uma pequena pousada em Picinguaba, uma minúscula vila de pescadores perto de Paraty, resolvi fazer um break e ver o jogo na cidade. Não conhecia ninguém em Paraty, pois havia seis meses que só trabalhava. Na euforia do dia, encontrei algumas pessoas que me convidaram para assistir ao jogo. A Copa do Mundo era sediada no Japão e na Coreia, por isso a partida seria de manhã. Começamos a beber na véspera, continuamos durante o jogo e depois de o Brasil ganhar o título. A celebração duraria todo o dia.No final desse segundo dia, acabamos em um barco a motor para tomar um banho de mar perto…

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Assine ou para ter acesso a todo o nosso conteúdo.