#11SilêncioArtigo

Se não houvese silêncio, não se perceberiam as vozes

por Bruno Pesca

Quem fala muito erra muito; quem fala pouco erra pouco. Com essa máxima popular em mente, cruzei 35 países vítimas de tragédias, donos de culturas bem diferentes da brasileira. O que dizer a alguém que sofreu uma perda irreparável e sabe que você, forasteiro de outro mundo, de certa forma só está ali porque isso aconteceu? “Sinto de verdade por sua perda” – falei, sinceramente, todas as vezes em que coube, olhos nos olhos. Mas o que dizer depois, quando as lembranças se desenvolvem, quando a pessoa remonta e narra o evento, ou quando expressa suas conclusões? E o que dizer quando o papo vira um desabafo, ou assume um rumo assumida e estritamente emocional? A resposta nessas situações é sempre apenas uma: nada. Fique quieto e apenas escute.Experiências como as de meus quatro anos nessas viagens (que foram ao ar na TV graças ao projeto “Não conta lá em…

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Assine ou para ter acesso a todo o nosso conteúdo.