#16RenascimentoCulturaLiteratura

A ordem do renascimento

por Léo Coutinho

Quinhentos anos depois, o pensamento político do Renascimento ainda vigora em sua plenitude. O Príncipe, obra emblemática de Nicolau Maquiavel, é o retrato de como a política acontecia na prática, e não uma proposta do autor, como a história a absorveu.Quando usados como metáfora para narrativas a-tuais, os modos e costumes da política medieval mostram que atravessaram a Renascença e estão absolutamente vivos. Trair, matar, ocupar, dominar, subjugar são verbos que podem ser conjugados no presente na crônica política ao redor do mundo. Em alguns casos, valem inclusive literalmente.Num contexto histórico, quinhentos anos não é tanto tempo assim. Os métodos anteriores à noção de república estão nas pessoas e ninguém pode negar o atavismo. Estima-se que em menos de 20% das nações exista hoje em dia a combinação de direito a voto, liberdade de imprensa e justiça independente. A direita xenófoba avança no continente europeu. Segundo a Anistia Internacional, quase…

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Assine ou para ter acesso a todo o nosso conteúdo.