#26Delírio TropicalArteMúsica

Bárbaro e nosso

por Guilherme Abud

Dedicado aOswald de Andrade, Rosa Magalhães, Eucanaã Ferraze, principalmente,ao argonauta Caetano Veloso. “Quem descobriu o Brasil foi seu Cabral, no dia 22 de abril, dois meses depois do carnaval”, enredo que coroou a Imperatriz Leopoldinense, campeã do desfile das escolas de samba de 2000, hoje se desdobra e redobra na folia, que, dois meses antes de Cabral, já era orientada por Caetano Veloso.“O Carnaval no Rio é o acontecimento religioso da raça. Pau-Brasil. Wagner submerge ante os cordões de Botafogo. Bárbaro e nosso” — assim disse Oswald de Andrade! ANDRADE, Oswald de, disse: “Só a Antropofagia nos une. Nunca fomos catequizados. Fizemos foi o Carnaval. O índio vestido de senador do Império. Fingindo de Pitt. Ou figurando nas óperas de Alencar cheio de bons sentimentos portugueses… Antes dos portugueses descobrirem o Brasil, o Brasil tinha descoberto a felicidade.” Caetano tinha orientado o carnaval e organizado o movimento! Contra o índio…

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Assine ou para ter acesso a todo o nosso conteúdo.