#31O EstrangeiroCrônica

O Recado de Orthon

por Vanessa Agricola

É difícil falar nisso, porque ninguém acredita em extraterrestres. Eu vou começar dizendo que estamos em um planeta, que nem é dos maiores, e que está entre mais de duzentas bilhões de galáxias. E isso é uma conta matemática, por mais esotérica que eu seja. – É física.

Vou romantizar, mas nem quando as pessoas olham as estrelas elas se dão conta? A Lua enche, esvazia, a maioria nem olha. – Fale sobre o Raul Seixas na adolescência.

Eu vou assumir que escuto vozes agora: – Escreva sobre George Adamski.
Não são ordens, mas eu atendo como se fossem. Preciso ir no supermercado? – Sim.

Fui no supermercado. Comprei arroz, feijão, suplementos para algum tempo sem luz, velas. O tanque está sempre cheio. Água.

Devo avisar minha mãe, irmão e ex-marido? – Não.

Voltei ao supermercado. Comprei mais arroz, feijão, velas, água para eles. Pode ser em 2019. Pode ser até 2026. As latas de atum vencem em 2022. – Sim. Agora fale sobre George Adamski.

OK.

“É interessante que, de todos os astrônomos profissionais, nenhum nunca disse que viu alguma coisa no céu”. Foi para o garçom George Adamski que o primeiro extraterrestre de que se sabe apareceu. Seu nome era Orthon. A data, 1946, logo depois do fim da Segunda Guerra.

“Era pouco mais de meio dia. Vimos uma gigantesca nave prateada, em forma de charuto, sem asas nem acessórios exteriores de nenhuma espécie. Veio em nossa direção, muito lentamente, como se estivesse flutuando. Depois pareceu pairar, ficando imóvel, e exclamou-se, será uma nave do espaço?”

O material em fotos e vídeos de George Adamski é uma das maiores provas que temos. Ele registrou mais de dez vezes a nave-charuto, tirou fotos, fez vídeos, todos considerados fraude, porque eram muitos e de boa qualidade. – Vocês acreditam até que a Jennifer Aniston voltou com o Brad Pitt.

Não existem fotos, nem vídeos, de Orthon. Segundo relatos dos livros, que George Adamski escreveu e que venderam que nem água, Orthon tinha dois metros de altura, era bonito, parecido com um humano, cabelos loiros e olhos azuis, “mas a testa larga”.

– Ele não era um simples garçom. Era um esotérico como você. Não é à toa que vocês veem o que veem.

Orthon convidou Adamski para dar uma volta. Eles entraram na nave pequena (que saiu da nave-charuto e pousou na Terra), e voltaram para dentro da nave-charuto, descrita como algo inacreditável nos livros. Fora a viagem que Adamski fez com Orthon pelo espaço. – Não foram tantas.

“Orthon explicou que era oriundo de Vênus, e que seus concidadãos estariam preocupados com o desenvolvimento de armas nucleares e a incapacidade dos terrestres em promover seu próprio crescimento espiritual.”

– Eu falando sobre os riscos da autodestruição, e eles só lembraram de Vênus.

O recado de Orthon foi sumariamente ignorado, após os cientistas comprovarem que não havia vida em Vênus.

– Vocês acreditam em propaganda de cosméticos.


Texto originalmente publicado na edição O Estrangeiro

Assine e receba a revista Amarello em casa
Cadastre-se