#17CulturaLiteratura

Falso brilhante

por Hermés Galvão

Não é o que não pode ser, mas talvez não sejam mesmo tão iluminados assim, quando os dias não fogem do lugar comum. Longe dos holofotes, parecem ofuscados pela própria sombra de uma vida real, logo eles, ido-latrados. Adormecidos da encarnação que incorporam quando estão em ação, parecem tão, assim, apagados da grande existência que lhes fez existir; talvez nem sai-bam, ou fingem não querer, ser tudo aquilo que se espera deles – mesmo submersas em seu cotidiano obscuro, mentes brilhantes trazem algo de luz na superfície.Inconscientes de suas fragilidades, inseguros, pensando cada vez mais para dentro, como se ignorar o lado de fora fosse salvá-los de algum imprevisto cada vez mais provável, os artistas tornam a sua dimensão física algo de frágil que, se não comove, ao menos irrita, e muito, a quem não se vê livre da pretensão de ser apenas aquilo que se imagina deles.A dor e…

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Assine ou para ter acesso a todo o nosso conteúdo.