#2NuCulturaLiteratura

Pagú

por Roberta Ferraz

Uma ideia relampejou assim: NU/PAGU. O curso d’água dessa edição de O AMARELLO dedicou-se ao tema do nu, às diversas formas de nudez, da mais cartográfica e muda às outras todas, enfeitadas, antigas, fabulares. O desnudar-se do poema jamais se liberta de suas máscaras inoculadas: as coisas estão manchadas de linguagem, embelezadas nelas. Mas de antemão, o NU irmanou-se com PAGU, o que não significa nenhum tipo de compromisso, veja bem.Pagu, porque esse ano comemora-se 100 anos de seu nascimento, e ela, a ‘musa trágica da antropofagia’, instalou-se nas nossas rodas alcoólicas e entrou no carnaval da página, que nem sempre é alegre, veja bem. Pagu foi uma mulher excepcional, e pra quem não a conhece, fica a dica de leitura de sua autobiografia errática, Paixão Pagu. Ali ela conta em algumas cartas (ao seu então companheiro no momento, Ge-raldo Ferraz) todo o fio extremamente coeso de sua vida, que…

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Assine ou para ter acesso a todo o nosso conteúdo.