Deprecated: Return type of PMXE_Config::getIterator() should either be compatible with IteratorAggregate::getIterator(): Traversable, or the #[\ReturnTypeWillChange] attribute should be used to temporarily suppress the notice in /var/www/amarello.com.br/htdocs/wp-content/plugins/wp-all-export-pro/classes/config.php on line 92
heleine fernandes Archives - Revista Amarello
#43MiragemCulturaLiteratura

Poesia: Miriam Alves por Heleine Fernandes

Parto
(Miriam Alves)

Uma batida surda
dói ouvir
Viver viver
presa na gaiola
pássara
Já vi o infinito
fui constelação
Agora asteroide vagando
estrela cadente
dividi-me em duas
Dividida para não ser subtraída
fiquei inteira amolgada em cada pedaço
Chorei por que eu nascia.

cordão umbilical
(heleine fernandes)

para entrar
no mar
derramar-se

é preciso tomar um caldo
uma lapada
ser arrastada

pelo redemoinho
dos cabelos
da vulva
de mamãe

gargalhar
e chorar
como uma criança parida.


Miriam Alves por Heleine Fernandes:

Miriam Alves é uma poeta contemporânea mais velha por quem tenho muita admiração. Ela é da geração dos Cadernos Negros, assim como Conceição Evaristo, e fez parte do grupo Quilombhoje, junto a Cuti e Esmeralda Ribeiro. Conheci a poesia da Miriam através de poemas esparsos presentes em antologias de literatura negra. Sua linguagem e estilo me chamaram a atenção desde a primeira leitura, seus versos me tocaram de um jeito muito contundente, e fiquei me perguntando como podia uma poeta tão expressiva e singular não ter seus livros acessíveis. Meu sonho era ler a poesia reunida de Miriam Alves. Lancei esse desejo para o universo em meu livro “A poesia negra-feminina de Conceição Evaristo, Lívia Natália e Tatiana Nascimento” (Malê, 2020), e ele se concretizou neste ano de 2022, graças ao trabalho cuidadoso de Leonardo Gandolfi e de Marília Garcia, da editora Luna Parque, que, junto à editora Fósforo organizaram os Poemas Reunidos, de Miriam Alves. Tive o prazer de fazer a orelha desta reunião e também fazer a preparação da obra. Vou aprendendo com a Miriam como trazer a oralidade e o corpo para a escrita, assim como a tradição de saberes afro-diaspóricos, com sua mitologia, filosofia e ritmos para os versos. Miriam foge dos estereótipos criados para aprisionar a literatura negra em uma forma única, o que também busco fazer. O tema do nascimento é muito caro para mim, e, por isso, escolhi o poema “Parto”, de Miriam, que nos conduz a um percurso antes do nascimento, de uma existência mergulhada no cosmo e na natureza, para além do humano e da racionalidade heterocispatriarcal eurocentrada. Uma trilha para fertilizar futuros.