#23EducaçãoCulturaLiteratura

Oficina

por Vanessa Agricola

A gente chegou já era noite. Minha mãe parou o carro na frente da casa dele, as luzes da varanda acenderam (estou inventando isso agora, eu não me lembro), meus irmãos saíram correndo do carro. Eu e minha mãe ficamos; ela segurando no volante com o carro desligado, eu chupando dedo.Ele surgiu de braços abertos. Meus irmãos o abraçaram com um entusiasmo que eu não entendi direito, continuei agarrada na minha mãe (já tínhamos descido do carro). Quando ele veio me dar um oi, chamei ele de tio.Lá dentro, ele me deu um canudo para beber água (minha mãe perguntou se ele tinha um canudo, e ele tinha). A casa dele era toda desmontada. A televisão ficava no chão, e umas caixas. Acho que tinha acabado de se mudar: “Crianças, vão brincar lá no quarto que a mamãe precisa conversar com o seu pai”.Meu pai? Eu achava que meu pai…

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Assine ou para ter acesso a todo o nosso conteúdo.