#34Terra: Especial 10 anosCulturaSociedade

Terra originária: expressão e simbolismo

por Rodrigo de Lemos

que, ao menos, outros homens venham à luz por meio da mulher-terra fecunda!
é para cumprir esses votos que o homem molda
as deidades temerosas da fertilidade.”

O simbolismo da terra é uma das portas de entrada para a compreensão da sensibilidade religiosa em civilizações tão diversas quanto a grega, a judaica e a chinesa. Seu estudo também contribui para o entendimento das práticas artísticas.

A terra integra os cinco elementos fundamentais no I Ching, ao lado da água, da madeira, do fogo e do metal. Esse conjunto representa as energias fundamentais que, ao interagirem, engendram a vida. Em Hesíodo, a terra é um princípio feminino, gestada do Caos original. A Terra é primeira com relação ao Céu, que dela nasce virginalmente e com quem ela copula para gerar deuses, heróis e monstros dos tempos primordiais. Esse papel importante, porque matricial, da terra na mitologia grega se reflete na profusão de divindades ligadas ao elemento telúrico; Gaia, Rea, Hera, Afrodite, Cibele ou Deméter são alguns de seus nomes. Também na Bíblia, e em especial no Antigo Testamento, a terra é tingida de simbolismo materno. Ela pode ser, entre outros, a terra agrícola, terra arada que é imagem da alma humana semeada pela Palavra de Deus. Ela também pode ser a matéria de base para a geração humana, terra-argila de que Deus se serve em sua ação modeladora dos seres humanos. Dela sempre nasce algo, espiritual ou material: a fé ou a própria humanidade.

A terra produz – e, com isso, sobretudo aos olhos de sociedades agrárias, ela nutre. A terra sustenta – nela o homem assenta seus pés. A terra encerra – ela é o destino do corpo após a morte, pó entre o pó.

O homem sente essa ligação primordial com a terra. Seu próprio estar-no-mundo se vincula imediatamente a ela. A terra é seu primeiro lugar (ela é terra-topos). Ela é também um dos seus primeiros elementos (terra-stoicheion). A partir da terra-elemento, o homem povoa sua terra-casa. Cria com a própria terra artefatos essenciais para moldá-la: vasos, vasilhas, jarros – tudo o que é fundamental a fazer de um lugar um lar. Também é com a terra que forja esses instrumentos – especiais, por certo, mas ainda assim instrumentos – para curvar a vontade dos deuses às necessidades dos homens, garantindo sua sobrevivência em meio à hostilidade das forças cósmicas: que abundem as frutas e os cereais! Que a terra não cesse de gerar! Que, ao menos, outros homens venham à luz por meio da mulher-terra fecunda! É para cumprir esses votos que o homem molda as deidades temerosas da fertilidade.

A profusão de deusas carnudas deixadas sob a terra pelas primeiras culturas podem sugerir um observador sensível à angústia de dependência desses homens a uma ordem natural que os ultrapassa. Também podem sugerir a importância dos meios de que se valiam esses mesmos homens para magicamente tornar essa natureza indiferente mais dócil a seus objetivos. Que essas estatuetas tenham sobrevivido precisamente enterradas só serve a nos mostrar a importância simbólica da terra, seja como nutriz ou como conservadora, última morada não só do cadáver mas também da memória daqueles que não são mais; por isso mesmo, essa memória pode um dia ser revelada, ainda que de forma fortuita. “E a medalha austera/ Encontrada por um lavrador/ Sob a terra/ Revela um imperador”, escrevia o poeta Théophile Gautier em “A Arte”.

Desde o Paleolítico, a terra crua cobriu e preservou a terra cozida (terra cotta, em italiano) desses artefatos primevos. A mais antiga cerâmica de que temos notícia dessa época é a Vênus de Dolní Věstonice (29.000-25.000 a.C.), escavada na Morávia. Há centenas de outras vênus semelhantes, datadas do Paleolítico e vazadas em materiais diferentes. Se o sentido preciso dessas estatuetas causa debate entre eruditos e especialistas, elas, por certo, com suas ancas redondas e seus seios fartos, fazem imaginar esse passado imemorial da humanidade, esse anseio angustiado de vida e de fertilidade.

Talvez por isso a ligação primordial do homem com a terra tenha se mantido gravada na evolução da escultura, ainda em seus períodos de apogeu. Mesmo quando as mais altas expressões da plástica tridimensional grega elegeram o bronze e o mármore como seus meios de expressão, não cessou a confecção de estátuas em terracota, como as de Tanagra. O mesmo se deu em civilizações como a etrusca e, principalmente, a romana; nesta, a terracota se torna símbolo de um sentimento cultural propriamente latino, em contraponto à helenização. Catão, segundo Tito Lívio, teria lamentado a admiração dos romanos elegantes de seu tempo pelas esculturas refinadas de Atenas e de Corinto, enquanto riam dos toscos deuses de argila dos seus antepassados. Há algo nessa argila das divindades ancestrais, nessa terra desprezada, que remete às origens e à simplicidade das origens (humildade, humus – terra).

Esse simbolismo teria se limitado, na arte, ao mundo greco-romano? Ao ascender ao trono, o Primeiro Imperador chinês, Qin (259 a.C. – 210 a.C.), decide construir um mausoléu, escolhendo a terracota como material para moldar os guerreiros e os pavilhões que o acompanhariam em seu túmulo. O Primeiro Imperador apela justamente à terra originária como companhia para descer à sua última morada no subterrâneo. “No meu fim está meu princípio”. “Do pó viemos e ao pó retornaremos” – da terra à terra. Não haveria, quanto à terra, um sentimento e uma esperança de um recomeço cíclico que redima a frágil presença humana de sua própria finitude? Não estariam esse sentimento e essa esperança inscritos, de maneira inefável, nos artefatos – grandes ou pequenos, quotidianos ou funerários – de terracota? Talvez seja por essa associação simbólica com a vida e o renascimento – e não pela dureza do “bronze perene” de Horácio – que a terracota, na sua singeleza e na sua aparente fragilidade, desafia o próprio tempo.


Rodrigo de Lemos é professor na UFCSPA (RS) e doutor em Literatura pela UFRGS.


Originalmente publicado na edição Terra

Assine e receba a revista Amarello em casa
Slot Gacor Slot Deposit Pulsa Situs Slot Gacor Slot Gacor Online Slot Tergacor Situs Slot Tergacor Bandar Judi Slot Online Judi Slot Online Judi Slot Tergacor Agen Slot Tergacor Agen Situs Slot Gacor Daftar Slot Tergacor Situs Slot Tergacor Dan Terpercaya Daftar Agen Slot Tergacor Daftar Situs Judi Slot Tergacor Slot Tergacor Hari Ini Agen Slot Tergacor Dan Terbaik Situs Slot Deposit Pulsa Situs Slot Tergacor Populer Daftar Slot Tergacor Maxwin Situs Judi Slot Tergacor 2022 Bocoran Slot Tergacor Hari Ini Info Bocoran Slot Tergacor Hari Ini Link Daftar Situs Slot Gacor Daftar Slot Gacor Hari Ini Daftar Slot Tergacor Gampang Menang Daftar Slot Tergacor 2022 Situs Judi Slot Tergacor Situs Judi Slot Tergacor Dan Terbaik Situs Judi Slot Tergacor Dan Terbaik 2022 Slot Tergacor Mudah Menang Slot Online Slot Online 2022 Slot Online Gacor
https://nzatedinburgh.com
https://elteuvot.org
https://springtothetap.org
https://aaer.org
https://thedocc.com
https://storyforgeproductions.com
https://wvmuseums.org
https://plastykkolo.com
https://whoownstheicehouse.com
https://worldhockeysummit.com
https://australiavotes.org
https://conqueringdreams.org
https://mileageworkshop.com
https://saltbricktavernnyc.com
https://actoncloud.com
https://cathfam.org
https://sarzanascacchi.it
https://www.paolodisabatino.it
https://sabislot88.web.fc2.com

 

 

Cadastre-se