#4ColonialismoCulturaSociedade

Tão longe, tão perto

por Andrea Simioni

Quilômetros e mais quilômetros no asfalto, trecho de terra dentro de um carro, sete horas em um barco e uma longa trilha a pé parecem uma odisséia, mas na verdade fazem parte de um ritual. É a preparação do homem branco que ruma em direção ao Alto Xingu. A distância percorrida prepara aos poucos o viajante para o mergulho no coração da mata e na alma do povo Mehinaku. O homem branco é um convidado na aldeia, por isso nada de colonizar, catequizar ou “civilizar” os povos do Alto Xingu. A idéia é vivenciar, sentir, fotografar, trocar, registrar gestos,olhares e o dia-a-dia de uma tribo que resistiu a colonização.Carregados de influências indígenas, a maioria dos brasileiros não conhecem os índios. Pensam nele como seres mágicos, personagens de histórias fictícias e tem visões preconceituosas ou idealizadas sobre os indígenas. O que todos esquecem é que muitas vezes o brasileiro já nasce…

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Assine ou para ter acesso a todo o nosso conteúdo.