#9ObsessãoArteCinema

Um dia de paz

por Tomás Biagi Carvalho Rose Klabin

Soa bonito e esperançoso para aqueles que, como nós, vivem em um estado de… paz. Para quem convive com a guerra, porém, um dia assim, de cessar-fogo temporário, não é só bonito; mas incrivelmente útil. Num dia em que balas não voam, famílias conseguem visitar seus médicos, adolescentes podem brincar em praças, e as crianças, que crescem nesse ambiente de conflito, têm chance de conhecer, por fim, a paz, como é a paz, que barulho emite ou deixa de emitir, que cor possui. É uma janela de oportunidade e esperança aberta à construção de um mundo melhor e mais humano.Jeremy Gilley parece aquele típico inglês – que deve ter sido punk, hippie, clubber – com o qual se esbarra às 22h45, desesperado para beber sua última pint de cerveja antes do pub fechar. No primeiro momento, sustenta uma conversa fria e calculada, um modo de se colocar agressivo, e mantém…

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Assine ou para ter acesso a todo o nosso conteúdo.