#36O MasculinoCinemaEstiloModa

A moda como a radicalidade da identidade

por Bianca Coutinho Dias

O filme Identidade de nós mesmos, de Wim Wenders, adentra o mundo da criação do estilista Yohji Yamamoto e promove um encontro do cinema com a moda. Saltando de um universo encerrado numa subserviência cega para um mundo vivo e pulsante em que se cria e recria o vestir – que é história, semiótica, linguagem, encontro –, reflete e analisa as configurações imagéticas do corpo no contemporâneo. A obra retrata a moda mostrando sua possibilidade como campo do pensamento, onde algo atravessa e marca as subjetividades e o gesto que se inscreve na experiência com o outro. A forma como nos relacionamos com os signos do vestir dão pistas de nossas identificações e, no mundo contemporâneo, delineiam uma relação não somente estética, mas também ética.Yohji Yamamoto é alguém que persegue a elegância radical pensando a arquitetura do corpo e do espaço, desestabilizando ideias fixas que rompem com a lógica discursiva…

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Assine ou para ter acesso a todo o nosso conteúdo.

Cadastre-se